23 novembro 2014

ASP DA 11º RISP MORRE APÓS PASSAR MAL EM LUTA!


O ASP Jordam Silveira da 11º RISP, prestes a tomar posse no certame 2012, ele obteve um mal súbito durante uma luta, e não resistiu chegando ao óbito.
Nossos sentimentos aos seus familiares.

Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressureição e a vida. Aquele que crê em mim ainda que morto viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, jamais morrerá.
João 11:25-26

21 novembro 2014

REUNIÃO COM LIDERANÇAS EM UBERABA MARCAM O COMEÇO DE UMA NOVA ERA NO CIRCUITO DO ALTO PARANAÍBA E TRIÂNGULO MINEIRO

Alexandre Guerreiro participou ao lado de Juscelino Maktub participaram da reunião do triângulo, com o intuito de trilhar novas ideias para a MORALIZAÇÃO DO SISTEMA PRISIONAL DE  MINAS GERAIS

Nessa semana visitamos agentes penitenciários de toda à região do triângulo mineiro com o fulcro de ouvir um a um os anseios; em contrapartida, articulamos conversas com demais autoridades locais numa abordagem inovadora de objetivos ousados, afim de gladiar com os nossos projetos em prol do bem comum. Portanto, elaboramos um escopo das principais demandas que possam melhor as condições de trabalhos dos Agentes Prisionais e Socioeducativo de Minas Gerais.
Trilhamos a consoante de reportamos nossa mensagem da suma importância de termos uma representatividade forte através de sindicatos e associados para ampliar o interesse de toda a categoria. Mais uma vez quero agradecer a hospitalidade dos Agentes Prisionais e Servidores Técnicos de Uberaba e região pelo carinho e hospitalidade e também agradecer aos Diretores da Penitenciária de Uberaba e do Presídio Seque atenderam a pessoa do Alexandre Guerreiro numa visita de cortesia.

19 novembro 2014

Convocação para Audiência Pública de Posse Nomeados em 30.10.2014 Assistente e Analista Executivo da SEDS/MG










NOMEAÇÃO JÁ!



É ABSURDO!!!!!

AS NOMEAÇÕES CAMINHAM NA POLITICAGEM, MAS JUNTOS TEMOS A OBRIGAÇÃO DE PROFISSIONALIZAR NOSSAS FILEIRAS - LUTAR SEMPRE, POIS A VITÓRIA VIRÁ...



O Agente Félix Neto esteve na ALMG, apoiando os colegas num ato nobre que vislumbra à NOMEAÇÃO JÁ! O companheiro Félix trilha os caminhos da MORALIZAÇÃO JÁ,  representando o triunfo das parcerias com Alexandre Guerreiro (Montes Claros), Juscelino Maktub (UBERABA) e Henrique Corleone (Belo Horizonte) ; - Assim, a luta continua para as nomeações de todos os aprovados no concurso de Agente Penitenciário Edital 03/2012, em caráter de urgência.










Lideranças Regionais do Alto Paranaíba, Triângulo Mineiro e Norte de Minas estão reunidos em UBERABA-MG

ALEXANDRE GUERREIRO
Acontece hoje as 20h:00 mim, em Uberaba a primeira reunião de lideres locais com a participação de Alexandre Guerreiro (Norte de Minas) e Juscelino Maktub (Triângulo Mineiro).
Local: Rua Olegário Maciel, 91 – sala 1 – Centro  (na lateral da Facthus/Catedral – prédio histórico)
Os Agentes Penitenciários e Socioeducativos estão convidados!
 Entre as pautas da reunião estão:
 – A importância da política para a defesa e conquista de nossos interesses e objetivos;
- O fortalecimento da sindicalização e união da classe.
UNIÃO DOS AGENTES PRISIONAIS DE MINAS GERAIS

16 novembro 2014

PARABÉNS GUERREIROS DO PRESÍDIO REGIONAL DE MONTES CLAROS PELOS 7 ANOS DE BONS SERVIÇOS PRESTADOS.


Presídio Regional de Montes Claros inaugurando em Nov/2007 completa esse mês 7 anos, 
Parabéns a todos os guerreiros pelos relevantes serviços prestados à sociedade do Norte de Minas.






GUERREIRO FARÁ REUNIÃO COM MAKTUB E LIDERES REGIONAIS

Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba: 
Alexandre Guerreiro e Juscelino Maktub confirmaram reunião para o próximo dia 19/11 em Uberaba.
alexandre guerreiro
O encontro reunirá lideranças das Unidades Prisionais do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. Entre as pautas da reunião estão:
 – A importância da política para a defesa e conquista de nossos interesses e objetivos;
- O fortalecimento da sindicalização classista.

13 novembro 2014

CONVOCAÇÃO PARA 3º ETAPA DO CONCURSO DE AGENTE SOCIOEDUCATIVO, EXAME PSICOTÉCNICO. BOA SORTE A TODOS!


A Secretaria Geral do Exército (SGEx) de Brasília, confirmou que os agentes de segurança penitenciária (ASP) estão autorizados a usar os calibres restritos .357 Magnum, .40 S&W ou .45 ACP, em qualquer modelo.




A Secretaria Geral do Exército (SGEx) de Brasília, confirmou à reportagem do Sindasp-SP na manhã desta quarta-feira (29), que os agentes de segurança penitenciária (ASP) estão autorizados a usar os calibres restritos .357 Magnum, .40 S&W ou .45 ACP, em qualquer modelo.

A autorização se deu pela publicação da Portaria nº 1.286/2014, de 21/10, expedida pelo boletim nº 43/2014, de 24/10, da SGEx. A portaria destaca que devem ser observadas as condições previstas no §1º -B do art. 6º da Lei nº 10.826/2003, que aponta: “Os integrantes do quadro efetivo de agentes e guardas prisionais poderão portar arma de fogo de propriedade particular ou fornecida pela respectiva corporação ou instituição, mesmo fora de serviço, desde que estejam: I - submetidos a regime de dedicação exclusiva; II - sujeitos à formação funcional, nos termos do regulamento; III - subordinados a mecanismos de fiscalização e de controle interno”.

Indagado sobre a publicação da portaria no Diário Oficial da União (DOU) para que a mesma passe a vigorar, a fonte do Exército (que pediu para não ser identificada) explicou que a portaria já foi encaminhada para o DOU, mas que não há necessidade.

“Um dos princípios da legislação é tornar público, e isso foi feito pela publicação no Boletim do Exército. A publicação é um ato do Comandante do Exército e tem validade assim que publicada, sem necessariamente depender do Diário Oficial”, disse o militar. “No entanto, já encaminhamos e o Diário Oficial deverá publicar nos próximos dias”, finalizou.

O artigo 2º da portaria determina que o Comando Logístico edite normas reguladoras da aquisição, do registro, do cadastro e da transferência de propriedade de armas de fogo de uso restrito adquiridas pelos agentes penitenciários, bem como a aquisição das munições correspondentes.

A regulamentação deverá estabelecer mecanismos que favoreçam o controle e o destino das armas após o falecimento de quem as adquirir, ou qualquer impedimento que contraindique a propriedade e posse de armas de fogo.

O documento do Exército aponta ainda que as normas a serem estabelecidas pelo Comando Logístico deverão determinar o destino das armas nos casos de exoneração – voluntária ou de ofício – dos agentes penitenciários.


Confira a publicação diretamente na página da SGEx, onde são publicados os boletins, procure pelo arquivobe43-14, ou clique aqui para baixar o documento na página do Sindasp-SP.

10 novembro 2014

ADICIONAL DE LOCAL DE TRABALHO FAVORÁVEL- DIA 10/11/2014
1 - Processo: Apelação Cível/Reexame Necessário 
1.0702.12.082925-5/001 0829255-44.2012.8.13.0702 (1)

Relator(a): Des.(a) Audebert Delage

Data de Julgamento: 28/10/2014

Data da publicação da súmula: 10/11/2014

Ementa:
EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL/REEXAME NECESSÁRIO - AÇÃO DE COBRANÇA - ADICIONAL DE LOCAL DE TRABALHO - LEI Nº 11.717/1994 - AGENTE DE SEGURANÇA PENITENCIÁRIO - CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA - ESTADO DE MINAS GERAIS - PAGAMENTO DEVIDO ATÉ A PUBLICAÇÃO DA LEI Nº 21.333/2014 - JUROS E CORREÇÃO MONETÁRIA - ENTENDIMENTO PACIFICADO NO STJ PELO RITO DO ART. 543-C DO CPC - RESP 1.270.439/PR



CONTATOS:
(38) 9143-2295 TIM WHATSAPP
(38) 9810-7155 VIVO
FALAR COM FÉLIX




CONVOCAÇÃO DOS CANDIDATOS DO CONCURSO AGENTE PENITENCIÁRIO SEDS EDITAL 2012 NOMEADOS DIA 29/10/14 PARA EXAMES ADMISSIONAIS











ATENÇÃO COLEGAS DO SISTEMA PRISIONAL E SOCIOEDUCATIVO!!!!!!


01 novembro 2014

Risco de demissão gera tensão entre agentes penitenciários


ATRASDASGADES_BORRAR_ROSTO



Um conflito entre agentes penitenciários pode estar comprometendo o funcionamento de presídios de todo o Estado de Minas Gerais. Servidores denunciam que têm trabalhado sob uma pressão que vai muito além do fato de lidar diariamente com criminosos de alta periculosidade. A falta de estabilidade na carreira, com ameaças de demissão, tem transformado o trabalho nas penitenciárias mineiras em um campo de disputa em que colegas concorrem para não estar na próxima lista de dispensados. São várias as denúncias de trabalhadores com problemas psicológicos devido ao estresse a que são submetidos no trabalho. No caso mais extremo, um agente se suicidou em Muriaé, na Zona da Mata.
Com 53 mil detentos, o sistema prisional de Minas conta com 15,5 mil agentes, 85% deles não efetivados, segundo o Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado (Sindasp-MG). Esses funcionários são contratados, seguem as regras de um trabalhador comum, mas não contam com os benefícios dos servidores efetivos da área. A partir de 2012, o Estado começou a fazer concursos para substituí-los, e hoje, a cada agente efetivado, um contratado é demitido. Segundo os servidores, não há um critério objetivo para o desligamento. Os nomes dos demitidos são definidos pela coordenação da unidade, portanto, qualquer contratado pode ser o próximo da lista.
“Essa situação deixou o clima insustentável. A todo momento um colega seu quer te dar uma rasteira. Não fazemos o nosso trabalho da melhor maneira. Com a dispensa iminente, os mais ‘fracos’ ficam mais suscetíveis a ser corrompidos pelos bandidos”, contou um agente penitenciário, que pediu para não ser identificado.
Outro agente reclama que os dispensados voltam para o mercado de trabalho sem nenhuma qualificação. “Você dedica seis anos de sua vida a um serviço que poucas pessoas querem fazer. Depois você é demitido, e qual é a experiência que você tem? Ter sido agente penitenciário não vale nada no meu currículo. E mesmo fora do sistema, você continua a sofrer ameaças de ex-detentos”, reclama.
A Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) afirma que todos os agentes contratados pela Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi) são empossados no regime temporário e têm informações acerca do contrato.
Efetivo
Admitido. A Secretaria de Estado de Defesa Social afirma que são vários os casos de agentes penitenciários que eram contratados e foram admitidos nos concursos realizados, sendo incorporados ao quadro de efetivos.
Frase
“O aumento da violência reflete diretamente na nossa profissão. Com alta no número de presos, o trabalho é maior. Nesse clima estressante gerado pelo medo da demissão, é impossível prestar um bom serviço. Somos cobrados por todos os lados. Pela sociedade e pelos presos que estão certos em cobrar os seus direitos. É urgente a melhoria de nossas condições de trabalho.”
Adeilton Rocha - Presidente do Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado (Sindasp-MG)